SEJA BEM-VINDO

Se você está acessando meu blog é porque quer informação, e principalmente sobre Bento Gonçalves. Então seja bem-vindo e desfrute das informações que você só encontrará aqui.







Pesquisar este blog

domingo, 31 de julho de 2011

E AGORA, SECRETÁRIA ELIANA?

Como a vida prega peças. Como a vida nos coloca frente a determinadas situações em que somos colocados à prova, seja de coragem, seja de conhecimento, seja de caráter, seja do que for. Por isso ela é bonita e ainda mais complicada. E ela fica ainda mais complicada, não há dúvida, quando titubiamos, exitamos em relação a como agir. E ao exitarmos, aí, amigo, começa o perigo. Imagino que esta seja a situação da poderosa, quase onipresente, onisciente e onipotente bi-Secretária Eliana Passarin, responsável pela pasta da Administração e do Governo. E imagino isso em função das consequências da batalha judicial que ela e apenas alguns poucos sabem que ela atualmente trava com o Município de Bento Gonçalves. O caso é o seguinte: em 2006 a então professora Eliana teve suas promoções por merecimento/antiguidade apontadas como irregulares pelo TCE, isso porque, apesar de não estar desempenhando aquela função desde 1999, eis que cedida ao Sindicado dos Servidores, teve o benefício de promoção, agregando os valores respectivos em seus vencimentos, o que infrigia,s egundo aquele Tribunal, o art. 10 da Lei Municipal nº 2408/94 e o art. 31 da Lei Complementar nº 77/04. Daí decorreu o processo administrativo para apuração do valor que ela deveria devolver aos cofres públicos, tendo o Município chegado à soma de R$ 13.896,96 (hoje, segundo meus cálculos, aproximadamente R$ 26 mil), de cujo valor a servidora foi notificada para devolver. A então professora Eliana resolveu não pagar. Preferiu, em 24/9/2007, ingressar com uma Ação Judicial onde pedia a anulação da determinação da revogação de suas promoções e consequentemente que não tivesse que devolver aquela soma recebida relativa a elas. Em 26/10/2009, já não mais apenas professora, mas sim a já poderosa bi-Secretária, soube da sentença local: improcedente. Ou seja, as promoções não valiam e o valor teria que ser devolvido. Exercendo seu direito de cidadã, apelou da sentença. Em 15/12/2010 ela então ficou sabendo da decisão do Tribunal de Justiça Gaúcho: improcedente seu recurso. A bi-Secretária, então, exercendo seu legítimo direito de cidadã, de lá para cá vem promovendo recursos para tentar levar seu processo para o STJ e STF, lá na longinqua Brasília. E por que faço essa narrativa? Não, obviamente, pelo fato da professora Eliana ajuizar ação contra o Município, já que isso é direito seu, como de qualquer cidadão. Faço isso porque a situação agora é diferente e interessa não apenas a ela, mas à cidade e, portanto, aos cidadãos. É que não há notícia nos registros forenses que dê conta de que o Município tenha promovido a devida ação de cobrança contra a servidora agora Secretária. E se não fez, o que ocorre é que alguém pode estar esperando o direito do Município prescrever e, então, jamais os cofres públicos poderiam reaver o dinheiro. E aqui está o impasse: a Secretária Eliana, como Secretária de Administração (não como de Governo), é quem deve promover o encaminhamento da cobrança de valores indevidamente recebidos por qualquer servidor, ou seja, no caso, ela teria que mandar chamar o servidor para fazer o acerto e se não faz deve encaminhar à Procuradoria do Município para efetuar a cobrança judicil, ou seja, ela tem que chamar a ela mesma. Será que o fez? E se alguém acha que o processo judicial que ela ajuizou e já perdeu em duas instância impede o Município de fazer o processo de cobrança ou mesmo que interrompa a contagem da prescrição está muito enganado. Primeiro porque a servidora Eliana está em mora com o Município deste que tomou conhecimento por notificação do valor que tinha que devolver (o que está beirando os 5 anos), e, portanto, a contagem deste prazo está fluindo; segundo, porque a ação judicial que ela fez não tem relação com a inércia do município; terceiro, porque os recursoa para Brasília que tenta desde o final do ano passado não tem efeito suspensivo. Enfim, tudo está a demonstrar que se o Município não agir imediatamente poderá perder o direito de reaver os valores recebidos pela promoção da servidora-professora Eliana, considerada ilegal pelo TCE e pela Justiça de primeiro e segundo grau. Diante desse quadro termino dizendo que toda esta inércia funcional poderá terminar pior do que já está para os envolvidos na inércia, e aqui falo do Prefeito e mais especificamente da Procuradora Geral do Município que, obviamente, têm conhecimento dos fatos pela existência da ação judicial da servidora-Secretária. E esse algo pior, caso ocorra a prescrição e o Município perca o direito à cobrança, poderá ser uma acusação pelo crime de prevaricação. Então, é bom pensar bem em como vão agir daqui para a frente, já que agora que o anel Platônico da invisivilidade se perdeu porque todos nós estamos sabendo deste assunto que interessa aos cofres públicos, quem sabe os responsáveis se decidam melhor em como agir neste "impasse".

MAIS UM ADITIVO!

Como gosta de um aditivo contratual esta administração. Lá vai mais um. E, desta vez, mais incrivelmente ainda, DE NOVO, com a empresa CCS Seviços Terceirizados Ltda, contratada SEM LICITAÇÃO no início do ano com a desculpa da emergencialidade e que já leva seu segundo aditivo de valor, já que tinham dado um aditivo de valor dias atrás (R$ 12.894,19 mensais, publicado dia 5/7). Agora mais um: R$ 10.208,40 mensais, retroativo a 1/6/2011 (publicado dia 22/7). O contrato, como já informei aqui, assim o da ARKI (também contratada emergencialmente para o mesmo fim: fornecer mão de obra), termina dia 30/7 e, não tenho medo de errar, tudo indica sofrerá aditivo também de tempo. Com certeza estão contratando bem mais do que o previsto na emergência declarada em janeiro/11 e, com certeza, a administração não está nem um pouco a fim de sair da forma "emergencial-sem-licitação" de colocar gente para dentro do serviço público.

JOANINHA VEM AÍ

Não há dúvidas de que, em termos de circo, divicilmente alguma outra administração superará esta do PT em Bento Gonçalves. Não da para saber ainda por qual Secretaria (da cultura, talvez), mas certamente não pela Casa das Artes, mas o certo é que a Prefeitura acaba de fechar a contratação do "show da equipe Joaninha" pelo valor de R$ 35.500,00. Pelo acesso que fiz na internet só descobri um show com este nome, o do piloto de moto Gilmar Pereira Flores, que tem o mesmo nome da empresa pelo município agora contratada. Se for este o show (de salto de moto), resta saber aonde, para qual evento (se público ou privado - e digo privado porque nossa administração tem sido pródiga em pagar artistas para eventos privados), e quando será a apresentação. Enquanto isso não tem verba para consertar o acesso à Pradel, para ampliar o serviço de atendimento à saúde, etc. Talvez se fecharmos a Câmara de Vereadores, ou se reduzirmos o número de Vereadores para 2 ou 3 como gostariam alguns, sobraria mais dinheiro para "devolver" para este tipo de iniciativa. Com certeza o Prefeito e sua turma (de dentrou o de fora da Prefeitura) iria gostar ainda mais. PS.: será que este tipo de investimento foi eleita como prioridade no Orçamento Participativo?

UMA PROVA

Escrevi aqui ontem sobre o estelionato político-eleitoral que está em andamento com a forma como se está divulgando "realizações" públicas via a publicidade oficial da Prefeitura, em especial pelo distribuído e redistribuído jornal-encarte intitulado "Bento mais feliz". E se fosse preciso uma prova da distância entre o que está sendo propagandeado e a realidade, com ela nos brinda o Jornal Semanário deste sábado (edição 2742). Basta ler a boa e elucidativa entrevista publicada na página 10 com o Superintendente da Corsan, Sr. Alexsander Pacico, sobre o que estaria em andamento como obras para o saneamento. Leia o encarte da Prefeitura sobre o assunto (que está também dentro deste Semanário) e leia a entrevista. Depois de comparar as informações ficará ainda mais fácil de entender o que se quer dizer com "estelionato político-eleitoral".

sexta-feira, 29 de julho de 2011

ACESSO À PRADEL: o descaso

Recebi um material fotográfico com as devidas queixas de quem tem que usar diariamente o acesso à Linha Pradel. Infelizmente, mais uma vez, a pessoa não pode ser identificada por medo de perseguição. As imagines falam por si, cujo quadro, garantem os queixosos, vem de longa data. Parece que o pessoal vai ter que fazer uma reunião do orçamento participativo para ver se a comunidade elege como prioridade tapar os buracos. E olha que naquela direção, tendo que passar por aquele trecho, existem várias, grandes e boas indústrias que são visitadas diariamente por clientes, representantes e funcionários. Imagina se não existissem...A pergunta dos usuários daquela via de responsabilidade da Prefeitura é: até quando?




ESTELIONATO POLÍTICO

Acabo de receber, encartado num jornal local, o informativo da Prefeitura (administração municipal) que neste novo modelo (depois da contratação da agência de publicidade) está no nº2. É de espantar a cara-de-pau desta publicação que se constitui grosso modo num verdadeiro estelionato político-administrativo. Por agora fico só com a análise do que afirmam as manchetes da primeira página (tem 8), que dizem:

1)"Prefeitura inicia obras do Hospita do trabalhador": com a manchete vem a foto (na capa e depois no interior) da maquete do famoso-prometido hospital. Enquanto isso, na realidade, o que a Prefeitura está iniciado é uma micro reforma das dependências do prédio que existe há anos para adaptar o atendimento de UPA III, cujo compromisso de implantação foi assumido pela Prefeitura com o governo federal alguns meses atrás. Ou seja, a verdade é se trata do início uma obra de reforma para readequar o prédio, na fantasia-estelionatária-política estão iniciando a obra do "hospital" que aparece na foto;

2) "R$ 113 milhões para obras de mobilidade urbana": mais uma vez é anunciado como obra a intenção de pegar empréstimo para um dia fazer alguma coisa. Notícia velha, plantada há aproximadamente um mês mas que não para de render ficção, já que o dinheiro sequer existe e, portanto, obra não existe. Aliás, para pegar o EMPRÉSTIMO dos R$ 113 milhões é preciso a aprovação da Câmara e, o que se espera, a apresentação dos projetos onde este dinheiro iria ser investido. Ou seja, novamente o anúncio-propaganda que beira anúncio de caráter eleitoreiro com dinheiro público. Afinal, anunciar, de novo, que o município "investirá R$ 113 milhões", e gastar dinheiro público para tal anúncio, significa o quê?

3) "R$ 50 milhões para tratamento de esgoto e sistema de abastecimento": de novo, isso mesmo, de novo mesmo, a administração municipal anuncia com "obra sua" o invstimento destes tais de R$ 50 milhões, ao afirma que a "prefeitura conquistou R$ 50 milhões". Depois, nas letras miúdas, e sem maiores explicações, a notícia da conta de que "o Prefeito recebeu do Diretor Presidente da Corsan informação de que R$ 50.189.502,28 serão investidos em Bento Gonçalves para obras nos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário". Não vamos nos esquecer, estes são os mesmos R$ 50 milhões que meses atrás nosso Prefeito disse estar trazendo de Brasília e que na realidade se constitui num dinheiro que será aplicado em Bento depois que a Corsan pegar-conseguir o empréstimo naquele valor para poder gastar aqui. Ou seja, de novo se gasta dinheiro público para anunicar o que não existe e o que não é da Prefeitura como obra-futuro-talvez-gasto.

Em tempo: Justiça seja feita; na página 7 do informativo somos informados de que teremos "mais segurança", isso porque a Prefeitura conserta câmeras de videomonitoramento da Brigada Militar". De fato, levou meses, brigaram com o Consepro, mas conseguiram consertar depois de muito tempo sem funcionar aquelas 9 (NOVE!!??)câmaras.
Vou sugerir ao Ministério Público que ingresse com uma ação para os gestores devolverem o dinheiro desta publicação porque, afinal, tudo isso já foi dito e redito mais de meia dúzia de vezes e para tanto gastando e gastando dinheiro como publicidade-propaganda sobre o nada. Será que este agir lembra ou não os panfletos da campanha eleitoral passada; e estaria ou relacionado ao fato de que estamos há um ano das eleições municipais?

quinta-feira, 28 de julho de 2011

FIM DO DESCANSO

Descanso é descanso. Por isso nestes últimos 7 dias nada foi postado aqui. Com o meu retorno de viagem, amanhã, continua também o trabalho por aqui. Afinal, se não continuarmos com as infirmações e os debates por este meio, a farra do boi pode ser maior ainda. Obrigado pela espera.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

GASTO x NÚMERO DE VEREADORES x DEMOCRACIA

Os números revelados pelo Sr. Contador da Câmara, Sr. Juliano Consoli, em entrevista no dia de ontem ao repórte da Rádio Viva News, Felipe Machado, nos devem fazer pensar, e muito. Mas para pensar é preciso fazer as contas, refletir sobre elas e seu custo benefício, ponderar e ver até que ponto são os "vereadores" e, consequentemente, seu número (agora em debate devido ao possível futuro aumento de 11 para 17), um mal necessário a se tornar um bem necessário. Então vejamos os dados do contador que usou o exemplo do orçamento e gastos de 2010 da Câmara(sempre em números redondo para facilitar) e tiremos com serenidade as devidas conclusões. Disse ele que em 2010 foi gasto pela Câmara, com pessoal (aí incluído o salário dos vereadores e todas estrutura de funcionários), o valor de R$ 4.800.000,00, enquanto que, o total de gastos do legislativo, ficou em R$ 5.600.000,00. Disse ele ainda que a devolução ao Executivo no final daquele ano foi de R$ 2.500.000,00. Então, tem-se que o total repassado à Câmara foi de R$ 8.100.000,00.
Agora vamos aos dados legais que interessam: primeiro, o percentual a ser repassado a Câmara é de 6% do orçamento do município; segundo, a Câmara só pode gastar até 70% do que recebe com pessoal (vereadores e funcionários), conforme determina a Constituição Federal; terceiro, o salário dos vereadores em 2010 foi (como é até hoje e será dentro de 2012) de R$ 5.782,00. (será de R$ 10.021,16 em 2013)
Agora peguemos estas informações e vamos às reflexões:
a) se a Câmara gastou R$ 4.800.000,00 com pessoal, ela gastou o equivalente a 60% com pessoal (R$ 8.100.000,00 x 60% = R$ 4.800.000,00)
b) como o repasse para ela foi de R$ 8.100.000,00, seus gastos com pessoal poderia ter chegado até R$ 5.670.000,00 (70%). Portanto, a Câmara ficou apenas 10% abaixo deste limite, resultando que a SOBRA com esta verba foi de R$ 870.000,00 (R$ 5.670.000,00 - R$ 4.800.000,00 = R$ 870.000,00);
c) como a Câmara devolveu à Prefeitura o total de R$ 2.500.000,00, isso significa dizer que relativamente à possibilidade com pessoal isso equivaleu a apenas aqueles R$ 870.000,00, sendo que os outros R$ 1.630.000,00 equivalem a economia relativa a gastos que poderiam ser feitos em outras rubricas (reformas, viagem, diárias, cursos, etc)
c) como o salário dos vereadores era em 2010 (e até hoje) de R$ 5.782,00, conclui-se que, com eles, os 11, a título de salário, computado o 13º, foi gasta a soma de R$ 826.826,00 (11 x R$ 5.782,38 x 13 meses);
d) como a Câmara gastou R$ 4.800.000,00 com pessoal, aí incluído o gasto com o salário dos vereadores que chegou a ordem de R$ 826.826,00, tem-se que com os servidores (CCs e concursados) foi gasta a soma de R$ R$ 3.973.000,00.
e) como a Câmara em 2010 deixou de gastar apenas 10% a menos do que poderia com pessoal (60% ao invés de 70%), no equivalente a R$ 870.000,00, tem-se que, então, se tivessemos 17 e não 11 vereadores em 2010, o gasto com cada um dos 6 excedente aos 11poderia chegar no ano no máximo a R$ 145.000,00, ou seja, R$ 11.153,84 mensais (R$ 870.000,00 : 6 : 13 meses - c/13º e aí incluído per capita mais todos os gastos com pessoal para sua assessoria)

Em sede de conclusão, portanto, tem-se que: o maior gasto da Câmara não é com o salário dos vereadores, sejam eles 11 ou 17, que são quem tem o dever da representação popular; que o aumento de 6 vereadores não impedirá a devolução de milhões à Prefeitura, já que a Câmara está gastando apenas 10% a menos do que o máximo permitido com tal verba; que continuará havendo devolução (e muita) se não forem feitos gastos exagerados com outras rubricas (reformas, viagens, diárias, cursos, etc), o que independe do número de vereadores; que o que deve ser revisto é o gasto com pessoal no que diz respeito à estrutura funcional de assesorias (sabe-se que, por exemplo, cada bancada tem um assessor e cada vereador tem pessoalmente mais dois), gasto este sim já muito elevado mesmo hoje com 11 vereadores e que poderia ser facilmente reduzido com a mudança do quadro de funcionários CCs da casa legislativa(vamos da um exemplo e fazer uma conta simples: 11 vereadores x 2 assessores pessoais cada um é igual a 22; com 17 vereadores nada impede que se passasse para 1 assessor cada um e, então, u-la-lá, seriam 17 assessores, tirarndo-se daí uma grande economia para devolver ao Executivo no fim do ano); se está falando de um custo muito baixo (R$ 870.000,00 anuais, a dinheiro-custo declarado de 2010, que são os 10% economizados a título de pessoal naquele ano) em relação à importância do aumento da representatividade popular na Câmara e, quiçá, com mais representatividade, a possibilidade também de uma melhor representação; afinal, é mais difícil o Poder Executivo manipular 17 do que 11, e muito mais pessoas estarão efetivamente representadas com 17 do que 11.
Por derradeiro, se é que me fiz entender, deixo uma reflexão com números exagerados: como a verba de 6% sobre a receita do município a ser mandada para a Câmara não pode ser excedida (e nem diminuída pelo Executivo), e, ainda, como destes 6% apenas até 70% pode ser gasto com pessoal, nós deveriamos querer que fossem eleitos 50 (cinquenta), 100 (cem), 200 (duzentos) vereadores (o que, é claro, não é possível pelo limite Constitucional). Teríamos mais representação, mais debate, mais idéias, mais qualificação, menos manipulação e, é claro, com menos dinheiro proporcional para salário de vereadores e assessores, e, daí decorrente, mais despreendimento para a busca do preenchimento da vaga de tão importante função para o exercício da democracia. E agora, se no centro do debate estiver apenas a questão econômica, exagero o exemplo imaginando diminuir o número de vereadores. Para quantos, 5, 4, 3, 2, 1? Aí ser economizaria muito mais. E daí? Aonde a democracia, o sistema, as mudanças da estrutura da cidade iriam parar? E não adianta fazer "terra arrazada" dizendo que Vereador não serve para nada. Serve, e muito. Mas, é claro, a qualidade dos representantes e consequentemente a qualidade dos trabalhos dependem de quem nós, a população, colocamos lá, para tão importante função. E, depois de colocá-los lá, não adianta reclamar por reclamar como se o eleitor não fosse o responsável. A partir daí tem que exercer o poder como cidadão na vigilância dos atos, reprimindo os maus a cada eleição para depurar o sistema, buscando sempre a melhor qualificação da Casa Legislativa. O resto é discurso vazio e de destruição do sistema, que serve apenas para a perpetuação dos menos qualificados. E não deve ser isso, ou pelo menos não deveria ser isso, que cada um de nós deveria querer.

BOLA MURCHA

A reunião do OP da Vila dos Eucaliptos esta semana mostrou bem por quantas anda a credibilidade do Orçamento Participativo (ou otário participativo) em Bento Gonçalves. Estavam na reunião 6 pessoas. Entrevistado pela Rádio Viva, depois de questionado sobre o motivo de tão ínfima participação, o presidente da associação dos moradores disse que só podia ser pelo fato de que as pessoas, como não foi atendido qualquer pedido dos OP's anteriores (2009 e 2010), estariam desconfiadas de que não adianta ir lá e eleger "prioridades" se nada acontece. Por sua vez, feita a mesma pergunta para a Coordenadora do OP, CC da Prefeitura, a resposta foi a de o motivo seria a pouca tradição das pessoas no exercício da participação popular em decisões de interesse coletivo. Que você acha que fez a melhor análise?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

SEGUIDORES DE MAQUIAVEL

Aproximadamente há um mês estamos sendo bombardeados com a propaganda da Prefeitura em todos os veículos de comunicação escrita da cidade. Propagandas de meia página anunciam, inclusive, por diversas vezes e repetidamente, coisas que teriam sido feitas. Mas o surreal não é pagar para repetir tantas vezes a mesma coisa, o surreal está em anunciar coisas que a Prefeitura se diz responsável e não é, que fez mas (ainda!?) não fez, que fará e não se sabe se fará, que diz ser obra sua e não é, hoje ou amanhã. Um exemplo é a repetida propaganda que anuncia: "50 milhões para tratamento de esgoto e sistemas de abastecimento. Mais uma entrega da Prefeitura pra fazer Bento cada vez mais feliz". Tal anúncio é de uma hipocrisia, de uma inutilidade e de uma demonstração de um tipo de gasto com publicidade que o administrador deveria ressarcir aos cofres públicos pelo simples fato de que não há "mais uma entrega" de R$ 50 milhões pela Prefeitura; não há obras neste valor entregues ou sendo entregues e, o pior, os R$ 50 milhões a que se refere para "tratamento de esgoto" devem ser decorrentes dos recursos que a Corsan buscou ou está buscando via empréstimo (como anunciado meses atrás), para por longos anos aplicar por aqui em saneamento. Ou seja, se gasta dinheiro para propagandear algo que não existe e cuja responsabilidade de investimento é da Corsan (firmado em contarto de concessão). Esse anúncio e tantos outros nos faz ter a certeza de que nossos atuais administradores estão lendo muito Maquiavel, e, para estar agindo assim, em especial devem estar dando muito atenção à seguinte passagem da obra mais famosa daquele autor, O Príncipe: "Como é louvárvel um príncipe que mantém a sua palavra e vive com integridade! Assim mesmo, a experiência dos nossos tempos mostra que os princípes que não mantêm a sua palavra, tiveram muito sucesso em seus governos, e foram capazes, pela astúcia, de confundir as mentes das pessoas. Estes príncipes, que não honram suas palavras, tiveram em última análise mais sucesso do que os príncipes que fizeram da lealdade o fundamento do seu poder. Por isso, um governante prudente não deve manter sua palavra, quando fazê-lo for contra o seu interesse, e, quando as razões que o fizeram comprometê-la não mais existirem. Se os homem fossem bons, este preceito seria errado e condenável, mas, como eles são maus e não honrarão as suas palavras com você, você também não está obrigado a manter a sua palavra com eles."
Só que na época de Maquiavel, a idade média, não tinha internet, facebook, e-mail, e tudo o mais. Então, cuidado, porque não estamos na idade das trevas.

sábado, 16 de julho de 2011

SUGESTÃO AOS VEREADORES

Como agora o Prefeito não precisa mais pedir autorização da Câmara de Vereadores para doar dinheiro público para quem quer que seja, isso graças a declaração de inconstitucionalidade conseguida pela Procuradoria do Município da lei municipal que previa tal obrigatoriedade, ao contrário do que acontecia antes, não haverá mais a publicação de tal ato no diário oficial, já que decretos não são publicados como as leis. Ou seja, como o dinheiro será doado por decreto, a revelação à sociedade não se dará de forma obrigatória. E se não é obrigatório tenho certeza que publicão para conhecimento da sociedade não ocorrerá. Assim, como a Câmara perdeu aquele poder, minha sugestão é que façam logo uma lei que obrigue o Prefeito a publicar todos os decretos que envolvam a doação de dinheiro público, seja para quem for. Aí, pelo menos, vamos ficar sabendo quanto e para quem nosso dinheiro estará indo e, assim, minimamente poder fiscalizar. Afinal, se a "farra do boi" na distribuição de dinheiro já era grande antes, imagina agora podendo ser doado por decreto, em ato assinado e engavetado e em ano pré-eleitoral.

QUE PAPELÃO!

Depois de ser acusado pela Procuradora Geral do Município de não prestar contas, o Consepro tornou público documento que indica que sempre foi feita a prestação de contas junto ao município, inclusive com a aprovação da Secretaria de Finanças, inclusive, na atual administração. O documento está publicado em fls.9 do jornal Serra Nossa desta sexta-feira (15/6). Confrontada com o documento, agora a Procuradora Geral disse que o que faltava era a aprovação do Conselho Municipal de Segurança(Consecom). Ora, mesmo que isso fosse verdade, tratar-se-ia de um procedimento interno administrativo, ou seja, seria o agente público que deveria pegar os documentos entregues como prestação de contas e encaminhar a todos os "departamentos" e não ao Consepro ficar encaminhando internamente. A pergunta é: se precisava ir para o Consecom aprovar, porque a Secretaria da Fazenda não mandou para lá? Por que a Procuradoria não mandou para lá? E, afinal, por que afinal ter afirmado que não houve prestação de contas se ela está lá? Que papelão! Quantos objetivos outros a cada dia que passa ficam mais claros na atual operação desmonte do poder público municipal contra o Consepro.

TRANSPARÊNCIA ZERO

A Prefeitura andou aditando valores dos contratos firmados sem licitação com as empresas CCS e ARKI (para fornecimento de mão de obra), cujo comportamento está para lá de estranho como já escrevi aqui, inclusive dando os valores, dias atrás. Andou contratando também uma advogada, Dra. Roselaine Frigeri, de Caxias do Sul, pelo seu notável saber. Diante disso fiz, dia 29/6, um requerimento para que em 15 dias fossem fornecidas cópias dos procedimentos que levaram a tais contratações e aditivos contratuais, para cujo protocolo paguei R$ 12,29. Mas, é claro, como outras vezes, não fui atendido. Nem mesmo lembrando no requerimento que os documentos seriam utilizados para eventual ação popular, com o que a omissão na entrega se constitui em crime de desobediência. Para não haver dúvida, reproduzo abaixo o requerimento. Ou seja, como a transparência deixou há muito tempo de ser um forte desta administração e a omissão indica a óbvia tentativa de sonegar informações, o que só pode revelar que querem esconder algo de todos nós, não nos resta outra alternativa senão ajuizar outra ação judicial. E pensar que essa gente que está aí agora defendia tanto o exercício da cidadania e se queixava de quem agia assim!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

EM DEFESA DE BENTO

Ainda bem que a Associação em Defesa do Território de Bento Gonçalves não desistiu da luta pela manutenção do território de Pinto Bandeira. É uma pena que o Prefeito Lunelli, que jurou defender os interesses da cidade que administra, tenha se omitido completamente até hoje. E ainda bem que a Associação resolveu colocar por escrito o pedido de que o Prefeito se posicione se vai ou não vai colocar o município à frente desta nova batalha judicial em conjunto com a Associação. Se já é uma lástima a omissão de Sua Excelência até hoje neste assunto, imagina se dita autoridade continuar com tal postura. Afinal, com a emancipação de Pinto Bandeira não estará perdendo apenas mais um dos seus distritos e um pouco de receita, estará perdendo sobretudo praticamente 1/3 do seu território, algo em torno de 100 km2 e, para piorar, justamente para um dos lados nobres do nosso espaço geográfico. Vamos torcer para que o Prefeito reveja sua posição, pare de se omitir e defenda o patrimônio territorial de Bento que é de todos nós.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

UPA's NO PAÍS

Talvez as informações do Ministério da Saúde estejam desatualizadas, mas é esta a relação que se encontra no seu site, pelo menos até hoje, 13/7/11. Se não está desatualizada, por que Bento Gonçalves ainda não está elencada, se no início do ano foi anunciada a implantação de uma UPA tipo III aqui?

"Unidade de Pronto Atendimento - UPA 24h Unidades de Pronto Atendimento em funcionamento no país

Jaboatão dos Guararapes/PE - Barra Jangada Rua Cruz Alta, n° 20
Macaé/RJ - Loteamento Balneário de Lagomar
Madureira/RJ - Praça dos Lavradores na Estrada Intendente Magalhães
Manguinhos/RJ - Av. Dom Helder Câmara, n° 1.390
Natal/RN - Conjunto Pajuçara, av. Moema Tinoco Cunha Lima
Niterói/RJ - Rua Tenente Osório da Fonseca, s/n°
Nova Friburgo/RJ - Av. Governador Roberto Silveira, n° 3.456
Nova Iguaçu/RJ - Estrada Adrianópolis s/n° - Três Corações
Olinda/PE - Av. Joaquim Nabuco s/n° - Cidade Tabajara
Palmas Norte/TO - Rua SO 07 lotes 12 e 14
Paulista/PE - Estrada do Frio, n° 1000
Petrópolis/RJ - Rua Prof. Carsoso Fontes s/n° - Bairro Castelândia
Queimados/RJ - Rua Maria F. Reis, Praça Camarim
Recife/PE - Av. Abdias de Carvalho em frente ao n° 1455
Recife/PE - Caxangá - Av. Joaquim Ribeiro
Recife/PE - Imbiribeira - Av. Mascarenhas de Moraes
Recife/PE - Rua Vale do Itajaí, s/n° - Bairro Lagoa Encantada - Ibura
Recife/PE - Rua Vereador Otacílio de Azevedo s/n°
Rocinha/RJ - Estrada da Gávea, n° 520
Samambaia/DF - QS 107, conjunto 04, lote 01
Santa Rita/PB - Rua Lucena, s/n°
São Bernardo do Campo/SP - Estrada dos Alvarengas, n° 5.779 - Vila União
São Bernardo do Campo/SP - Rua D. Pedro de Alcântara - vila São Pedro
São Bernardo do Campo/SP - Rua Valdomiro Luiz s/n° - B.Demarch Batisti
São Gonçalo/RJ - Rua Capitão Juvenal Figueiredo n° 1372, Bairro Columbante
São Lourenço da Mata/PE - Av. Dr. Francisco Correia, n° 2009
São Luis/MA - Av. dos Portugueses, s/n°
Teresópolis/RJ - Rua Luiz Meireles s/n° - Mercado da Carga Pesada
Três Rios/RJ - Rua Santo Antonio s/n° - Bairro Triângulo
Vera Cruz/BA - Rua João Ubaldo s/n°
Vila Kennedy/RJ - Praça Dolomidas s/n°"

terça-feira, 12 de julho de 2011

PARA MÁ EDUCAÇÃO SÓ PUNIÇÃO

Para as pessoas conscientes que acompanham este blog não é preciso dizer o quanto deixei à vontade todos aqueles que quisessem dele participar com seus comentários. Depois de certo tempo, alguns começaram a exagerar em questões pessoais e daí para ofensas. Então escrevi dois tópicos pedido compustura, sendo que o último no dia de ontem. No entanto, parece que, graças a má formação educacional associada a um certo nervosismo por estarmos no período ânuo que antecede as eleições e, daí decorrente, o sentimento de alguns de perder a tetinha decorrente do novo poder, as coisas pioraram. Então, infelizmente, peço que os educados e conscientes me perdoem mas, a partir de hoje, tive que ativar o sistema de mediação de comentários, ou seja, eles não entrarão diretamente na página. Estejam certos que todos os comentários que mantiverem o nível de educação e contribuição sobre fatos, posturas administrativas e qualquer outro que não estiver meramente relacionado a ataques pessoais será publicado. Ou seja, não tem jeito, contra má educação só mesmo a punição. Continuem por aqui e contribuindo, estou cada vez mais certo de que se este blog está encomodando certas pessoas é porque ele está no caminho certo.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

PASSANDO DOS LIMINTES

Tenho tentado de todas as maneiras não policiar de qualquer forma os comentários que aqui são feitos, mesmo os que, sem nenhum conteúdo, têm tentado apenas atingir pessoalmente a mim, aos comentadores racionais em geral e, imaginem, até os 33 seguidores deste blog, os quais alguém já teve a cara-de-pau de querer diminuir por suas presenças permanente por aqui. Mas quando alguns raivosos, vigilantes do mal, preconceituosos se dão o direito de anonimamente querer injurir e difamar aí já é demais. Não vai ser aqui, no meu blog, que meia dúzia de desqualificados a serviço de quem está no poder e o exercendo de forma duvidosa, para dizer o mínimo, vão encontrar o caminho para devaneios. Aliás, chega a ser ridículo como um certo anônimo com tal perfil insiste na idéia de que seria eu o autor dos comentários anônimos. Comos e vê, estupidez pouca não é brincadeira. E como é fácil ser assim no anonimato, não? Portanto, se quiserem continuar participando com comentários, mesmo discordando de mim ou daqueles que figuram aqui como comentaristas, mas isso para contrapor-se a fatos ou idéias, não há problema; mas ofensas, ataques e promessas de contuda criminosa contra quem quer que seja, aqui não. Vão procurar outro lugar para plantar sua intriga, ranço e má-fé.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

"O PREFEITO MANDA NA CIDADE" (!) (?)

Mais uma vez o jornal Serra Nossa está de parabéns. A edição de hoje reforça a certeza de quanto este veículo de informação tem permitido que se conheça um pouco mais do que o oficialismo gostaria. Ainda bem. Reportagens e informações reveladoras como as sobre o conflito nas mudanças do Plano Diretor (fls.14); sobre a lei e o assédio moral no Executivo (fls.10); sobre o cronograma do possível empréstimo bancário dos R$ 113 milhões ao município; e, sobre o vergonhoso desmantelamento do Consepro sob o título "Consepro- De herói a vilão"; permitem que o cidadão interessado na condução da vida pública que permeia nossas vidas individuaias e nelas, sem muitos perceberem, interfere, possa entender um pouco mais o que está acontecendo, graças à reflexão que o jornal se permite e nos possibilita. E dou apenas dois exemplos. É lá que se encontra a seguinte firmação da Presidente do Sindicado dos Servidores Municipais, na reportagem sobre o assédio moral, nos revelando fato gravíssimo: "alguns Secretários Municipais realmente fazem questão de menosprezar a capacidade dos seus funcionários"; e, ainda, a da Procuradora Geral do Município, sobre o conflito nas mudanças do Plano Direitor, que revela como alguns confundem poder administrativo com poder ditatorial, aquele funcional e possitivo, este sobre o todo com base no despotismo, no mínimo: "Se o Prefeito determina, só resta acatar. É ele quem manda na cidade e não outras pessoas". E é da conjugação das duas afirmações que poderiamos tirar a seguinte conclusão: talvez seja porque estão acreditando que "mandam na cidade" é que se dão, entre outros, o direito de assediar moralmente os funcionários, humilhando-os. Parabés Serra Nossa por nos ajudar a entender mais sobre o que fazem, o que dizem e o que pensam, de verdade.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

SERÁ MESMO NECESSÁRIO?

Leio e informo à comunidade sobre este dois contratos:

1."Contrato de fornecimento nº 289/2011 - Convite nº 33/2011. Objeto: Aquisição de conjunto de iluminação em fibra ótica para espelho d'água. Contratada: Center Luz Iluminação Ltda. Valor: R$ 22.700,00."

2."Convite nº41/2011 - Objeto: Contratação de escultor para confecção de peças de animais. Vencedor: Clóvis I. Dapper. Valor R$ 79.940,00."

SOBRE BANANAS E SÍMBOLOS FÁLICOS

Enquanto alardeiam aqui em Bento Gonçalves que o TCE está preocupado com as bananas e pirulitos comprados pelo Consepro local (imagina então quanto TCE tiver tempo para ver outras compras não do Consepro por aqui!), lá em Porto Alegre a discussão é outra. A importância ou não da compra de pênis de borracha para dar aula. Reproduzo abaixo a discussão. Será que o TCE vai dizer o que sobre isso, então?

"Por solicitação da Diretoria Sócio-Educativa da Fase (Fundação de Atendimento Sócio-Educativo do RS), ex-Febem, a Central de Compras do Estado do RS abriu licitação para a compra de 13 pênis de borracha para aquela instituição, que tem 13 unidades de atendimento. Presume-se, assim, que cada unidade receberá do Estado um pênis destinado às aulas de educação sexual.
A informação é do colunista Wanderley Soares, e foi publicada na edição do dia 12 deste mês do jornal O Sul, de Porto Alegre. O jornalista avalia que "a partir deste precedente - que envolve menores em situação de risco - em breve também os alunos, tanto do ensino fundamental como do médio, terão direito a aulas sobre sexo devidamente ilustradas com pênis de borracha ou material assemelhado adquiridos em licitações públicas".
A compra foi confirmada pela assessoria de comunicação da Fase. Esta é responsável pela execução das medidas sócio-educativas de internação e de semiliberdade, determinadas pelo Poder Judiciário, a adolescentes autores de ato infracional.
Em sutil ironia, o jornalista escreve estar-se diante de "uma discriminação, a menos que seja apenas o início de um projeto de maior grandeza". E justifica: "preocupa-se a Diretoria Sócio-Educativa da instituição apenas com a aquisição de pênis de borracha; mas o sexo - aquele considerado normal - envolve, minimamente, um pênis e uma vagina".
A Fase respondeu na edição do dia 15: "a compra de material destina-se a auxiliar os profissionais de saúde nas consultas e atividades de grupos voltadas à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, métodos contraceptivos, ações de higiene, autocuidado, paternidade consciente e gravidez na adolescência. Estas ações em saúde são preconizadas pelas políticas de atendimento voltadas à nossa clientela, sobretudo à prevenção de novos casos de paternidade precoce e gravidez na adolescência".
O jornalista agradeceu as informações e - ao considerar a riqueza de material didático existente na Internet e nas mais modestas bibliotecas do planeta sobre o tema, ferramentas que vão muito além dos pênis de borracha que serão patrocinados pelo erário - deixou para os leitores "interpretarem esse episódio, mas sempre questionando a ausência das vaginas".
Na edição de ontem (17) do jornal porto-alegrense veio o epílogo. Wanderley Soares escreve que "se todos os pedagogos do País adotarem o uso desse equipamento para menores em situação de risco, teremos uma explosão na indústria de pênis, o que é bom para a economia".
O artigo avalia que certamente "haverá a discussão se os pênis deverão ser somente brancos ou se os negros também terão a sua cota", sem esquecer que "o tamanho do artefato estará em estudo, pois influirá no custo final".
A coluna avança fazendo uma digressão sobre uma hipotética situação de os 13 pênis, de repente, se transformarem em 12.
Wanderlei Soares então arremata: "Digamos que um pênis venha a desaparecer. Tudo é possível. O desaparecimento de um pênis deverá provocar, no mínimo, uma sindicância, e, se a coisa evoluir, até mesmo o Ministério Público terá de intervir. Haverá, inclusive, a responsabilização de quem estava com a guarda do pênis, o que iria estourar em uma professora ou em um professor".
Mas o articulista admite que o objetivo da compra do material fala mais alto porque, "em síntese, o Rio Grande entra na história como o primeiro Estado a fazer uma licitação pública para a compra de treze pênis de borracha e esta glória ninguém vai nos tirar". (fonte: www.espaçovital.com.br)

terça-feira, 5 de julho de 2011

ESTOU PRECISANDO DE AJUDA

Estou me didicando a estudar o custo da colocação de afalto sobre asfalto e asfalto sobre paralelepípedo. Como estou um pouco sem tempo, a pesquisa é difícil, e o assunto é importante (prometo que para nós, comunidade, e não para mim, que não estou querendo asfaltar nada meu), peço publicamente ajuda para todos que acompanham este blog na orientação sobre o assunto. As contribuições (dicas de fontes de pesquisa, valores, etc, mas sérias, de mercado, oficiais) podem ser enviadas via comentários aqui ou por e-mail para dalmass@italnet.com.br. Desde já agradeço.

HAJA PRAÇAS E BANCOS PARA TANTO $$

A afoiteza da Secretaria de Meio Ambiente e Floricultura tem bons motivos para estar se esforçando para fazer tanto gasto (inclusive parece que aquela centena de bancos 'novos', inclusive, já vão para a repintura). Pasta ver como aquela Secretaria evolui sua fatia no orçamento municipal entre o último ano do governo passado e o atual:
2008: R$ 4.700.000,00
2009: R$ 6.102.067,00
2010: R$ 8.399.256,00
2011: R$ 10.457.765,00
E, com certeza, ao final de 2011, não sobrará um centavo e, quiçá, até darão um jeito de remanejar o orçamento dela para aumentar sua fatia do bolo. Haja florzinha e banco no mercado, ou terrenões disponíveis para comprar.

O LIXO, AH! O LIXO

Já demonstrei aqui como a atual administração lidou com a questão da contratação do recolhimento e dépósito do lixo doméstico de nossa cidade. Para não ser repetitido, sugiro a leitura o texto aqui blogado em 9/12/10 sob o título "Licitação do Lixo: definitivamente muito estranho". Em outros momentos mostrei como em 17 meses desta administração o custo deste serviço passou de redondos R$ 200.000,00 mensais para os atuais R$ 434.000,00 para um contrato que permite recolher MENOS lixo. Mas a informação hoje é outra: como ninguém é de ferro, a administração (para não fugir à regra do que deveria ser exceção) deu um "aumentozinho" ao que já estamos pagamento muito caso. Este já passamos a pagar o valor de R$ 476.401,80 mensais. Ou seja, para o valor de uma licitação superfaturada (uso para fazer tal afirmação os termos da licitação de maio do ano passado como mostrei no texto blogado em dezembro/10), depois de exatos 12 meses de vigência, a Prefeitura dá 9,1% de reajuste. Olhei a inflação dos últimos meses e achei a variação de 5,22% com oficial. Como se vê, para o assunto lixo nesta administração, o céu é o limite.

CONTINUA A FARRA

Hoje (5/6) foi publicado mais um aditamento financeiro-contratual. No caso, mais um para uma das empresas que substituiu a CONTAU para fornecimento de mão-de-obra. Trata-se desta vez da CCS SERVIÇOS TERCEIRIZADOS. Foi aditado R$ 12.894,19 mensais, a serem somados ao valor original do contrato de R$ 102.084,01. Para a ARKI, no mês passado, já havia sido aditado o valor de R$ 91.067,03 mensais sobre o valor original de R$ 364.268,14 mensais. E assim anda a humanidade, de aditamento em aditamento. O engraçado é que tudo isso é feito assim, sem o maior pudor. E, o pior, tais contatos "emergenciais" feitos em janeiro, para durar por seis meses, deverão ser prorrogados (o que é probido por lei), mas, é claro, para fugir à proibição, terão outro nome, "renovados". Quem viver, verá. Em tempo: qual serio o motivo de tais aditamentos, já que na contratação o número e o valor a ser pago a cada funcionário já estava estelecido. Inflação? Mais gente para dentro da prefeitura? Um dia se saberá, ah! se saberá.

sábado, 2 de julho de 2011

UM BOM DIA

Domingo chuvoso e extremamente frio. Um bom dia para fazer uma ação judicial contra a Prefeitura, uma entidade e um jornal para devolver dinheiro para o município.

R$ 0,66 EM BANANA CATURRA

Essa seria uma das preocupações do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, em torno das despesas feitas pelo Consepro em 2009, segundo um jornal local. Impressionante até aonde vai a incapacidade de alguns de se afastar de bobagens e se concentrar no que importa. O que estaria por trás de tamanha campanha contra o Consepro? R$ 0,66 em banana caturra, é com isso que alguns veículos de comunicação querem com que nos preocupemos? Enquanto isso os mesmos veículos não questionaram em seus editoriais, nas notícias que foram trazidas pelo Prefeito por que, anfinal, quer desmantelar este importante canal de melhoria no atendimento dos aparatos de segurança pública local. Ah!, desculpem, vi sim na coluna de um editor local a justificativa nesta semana: o Olívio era do PT e fez isso; o Lunelli é do PT e pensa e anuncia o enfraquecimento do Consepro porque o PT pensa que essa é a solução da segurança pública, ou seja, ter para ele e só para ele o dever que é dele, mesmo que não atendam, de atender as necessidades. Ainda bem que alguém explicou, porque, afinal, tava demais imaginar que o problema estava no gasto de R$ 0,66 em banana caturra. Talvez se fosse em outro tipo de banana...

COITADA DA VIA DEL VINO

Vi a maquete da remodelação da Via Del Vino: pista dupla, o que vai lhe tornar, obviamente muito mais estreita; praticamente sem árvores, o que vai deixá-la desumana; sem as casas típicas, o que vai deixá-la sem identidade; mas com duas fontes (duas?) no lugar de uma que não se sabe a razão não serve mais. Sem isso tudo o que ela será? Um calçadão, com um grande vão bem em frente da Prefeitura (que é o que aparece na maquete) para, certamente, construirem e desconstruirem mais e mais palcos ocasionais, para as mais variadas coisas por aí. Uma coisa deverá ser certa: haverão muitos canteiros, onde colocarão e terão que replantar várias e várias vezes por ano flores, muitas flores, para renovar a natureza com renovados gastos, muitos gastos. Pelo menos na maquete a visão é muito triste; vamos ver ao vivo e a cores, se é que a obra na sua totalidade sai mesmo daquele jeito, o que é de se duvidar, já que esta obra já foi anunciada (deste jeito infelizmente) e teve seu prazo de conclusão marcado por três vezes neste atual governo municipal.

EDIÇÕES PARA GUARDAR

Para quem se interessa pela cidade, seu passado, presente e futuro, não pode deixar de guardar a edição dos jornais locais deste fim de semana. Uns comemoram o que não existe; outros divulgam que vai ser feito o que já foi dito que seria feito mais de meia dúzia de vezes e inclusive com data para estar pronto há muito tempo; outros dão sustentação ao palavrório que não passa de palavrório demonstrando a pouca ou nenhuma disposição para o esclarecimento da população. Entre eles, se alguns se dessem o trabalho de rever suas próprias edições dos dois últimos dois anos e seis meses, veriam o quanto estão longe de informar a população e de lhes prestar o serviço que qualquer comunidade espera de sua imprensa. O pior é que tem gente dentro de alguns jornais disposta a sustentar o insustentável, falar de desembolsos públicos sem questionar a fonte; falar do quanto vai se pagar pelo quê sem se dar conta (ou se dando conta mas querendo omitir) de que algo não vale em si mesmo o que diz que se vale, mas vale por aquilo que pode render, como, por exemplo, uma área de terras. Mas tudo isso a cidade inteira sabe, como eles próprios, por que é assim. Substimam a capacidade de raciocínio, visão e percepção das pessoas. O Prefeito nem precisaria, deste jeito, fazer uma informativozinho como encarte.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

CONSEPRO, PREFEITURA E TCE

Quanto mais se lê ou se ouve de explicações para a nova postura da Prefeitura com o Consepro, com ou sem o tal de apontamento do Tribunal de Contas do Estado, mais se fica com a impressão de que a administração petista quer o fim do Consepro por inanição. E se tem mais ainda esta impressão quando começam a surgir matéria visivelmente plantadas sob o pretexto de "vazamento" de documentos que até ontem eram guardados a sete chaves e ao aparecerem são elevados a um tom surreal e de publicação que nem com lupa se pode ler para tirar as próprias conclusões. Neste contexto visivelmente de armação como preparação de um golpe fatal, chega ser risível ver a "relação de apontamentos de irregularidades". Será que o Tribunal está se preocupando com R$ 4,94 em caramelo; R$ 8,6 e pirulito; R$ 1,03 em morango; R$ 12,87 de erva mate; R$ 2,53 de uva; R$ 38,52 em água mineral? Duvido muito, mas quando se quer criar uma cortina de fumaça para objetivos outros tem gente que se apega a coisas minúsculas e as tornam em infames. Imagina quando o Tribunal de Contas ficar sabendo, então, que já teve dinheiro público que serviu, entre outras coisas, para uma associação local, em triangulação com um jornal local, na realização de um evento ecológico (e a entidade sequer é ecológica) gastando R$ 2 mil com algodão doce e mais da metade da verba em publicação no próprio periódico. Ou seja, se querem terminar com o Consepro e jogar lama no trabalho importante que ele desenvolve, vão ter que se esforçar mais, muito mais, porque com tais argumentos vai ser difícil, senão impossível.

NOVA ERRATA?

Leio no jornal Gazeta de hoje, página 10, a relação de gastos com a Pipa Pórtico. Entre eles está lá dito que o gasto com a "pavimentação asfáltica" será de R$ 177.388,62. No entanto, edital recentemente publicado informava que o gasto do contrato de tal item é de R$ 199.600,54. Que sabe venha por aí uma nova e pequena errta de canto de jornal, seja neste, seja no diário oficial.

DESDENHANDO OS VEREADORES

Começa a circular pela cidade mais um "INFORMATIVO Bento mais feliz", da Prefeitura Municipal (aliás, estranhamente, o ano 1, nº 1, de algo que não é o primeiro!?). Mas de todas as ilusões, fantasias, futurologias, repetições já cometidas para dizer o indizível, sustentar o insustentável, mostrar o imostrável, o que mais, pelo menos a mim, chama a atenção, é a mais nova demonstração de desdém à independência, inteligência e responsabilidade dos nossos vereadores. Explico: na página central de tal informativo se lê a seguinte afirmação: "Ve, aí + R$ 113 milhões para deixar Bento mais feliz". Ora, como se sabe, os tais de R$ 113 milhões anunciados pelo Prefeito na semana passada, para vir para Bento, dependeriam de um EMPRÉSTIMO bancário. Tal operação depende de autorização legislativa municipal, ou seja, dos Vereadores. Então, o deboche está aí: como pode o Prefeito afirmar isso hoje se autorização para contrair tal empréstimo ele ainda não tem? Talvez já esteja tudo acertado para "alguém ser mais feliz"; talvez já tenha havido uma "aprovação informal" lhe dando o grau de certeza para tal afirmação e, também com certeza, "alguns ficarem mais feliz". Como disse o Vereador Gabbardo meses trás aquilo que a constituição chama de "independência dos poderes" não seja danta independência por aqui. Ou, no mínimo, o Prefeito está contando com o ovo antes de ter a galinha, o que não seria uma novidade.